Veraneantes estreia-se no TNSJ com encenação de Nuno Cardoso
Texto de Maksim Gorki foi escrito na antecâmara da sangrenta revolta de 1905, que abriria caminho à Revolução Bolchevique de 1917.


2017.02.24

O encenador Nuno Cardoso regressa no mês de março à dramaturgia russa com a nova criação da companhia Ao Cabo Teatro. Veraneantes, de Maksim Gorki, estreia-se no Teatro Nacional São João (TNSJ) a 9 de março e permanece em cena até dia 18 de março. O texto foi escrito na antecâmara da sangrenta revolta de 1905, que abriria caminho à Revolução Bolchevique de 1917, pouco tempo após a morte de Tchékhov, de quem Gorki era amigo e um confesso admirador. Não será por acaso então que Nuno Cardoso parte para este novo projeto após ter explorado uma trilogia tchekhoviana (Platónov, A Gaivota e As Três Irmãs).

A ação passa-se em 1904, no verão do descontentamento de quinze personagens espertas e ociosas, quatro famílias que se colocam uma pergunta permanentemente atual: “Como hei de eu viver?”. Levam uma vida que é uma espécie de mercado, onde se enganam uns aos outros, dando o mínimo, recebendo o máximo. Do advogado insensível à mulher, da mulher que anseia por uma saída ao irmão imóvel na sua cobardia. Do avarento traído pela mulher, da mulher que faz da devassidão uma ode ao desespero, ao amante que assume a sua condição como suicídio moral. Do escritor desiludido que foge à confrontação com o seu próprio falhanço, do velho generoso que não encontra na família o porto de abrigo, à mulher que não consegue ultrapassar o seu medo para ser feliz.

O texto de Gorki alertava para a ociosidade das elites russas incapazes de ver as alterações do país, de perspetivar o seu futuro e demasiado acomodadas para participar nele e de uma Europa que entraria em convulsão. Karina, uma das personagens, partilha a sua confissão desoladora: “Não conhecemos ninguém que seja feliz”.

Veraneantes resulta de uma coprodução de Ao Cabo Teatro, Centro Cultural Vila Flor, Teatro Nacional D. Maria II e TNSJ. O espetáculo pode ser visto às quartas-feiras, às 19h00, de quinta a sábado, às 21h00, e aos domingos às 16h00. O preço dos bilhetes varia entre os 7,50 e os 16 euros. A sessão de dia 12 março conta com intérprete em Língua Gestual Portuguesa.