Porto acolhe ciclo de cinema promovido pelo Parlamento Europeu
Iniciativa exibe três filmes que foram selecionados pelo Lux Film Prize. Mostra arranca com Io sono li, vencedor do galardão em 2012.


2015.04.20

O Porto é a cidade escolhida para acolher o ciclo de cinema Lux Film Prize, promovido pelo Parlamento Europeu, numa parceria com o Cineclube do Porto. A iniciativa decorre entre 24 e 26 de abril, sempre às 21h30, na Casa das Artes. Em exibição estão três filmes que integraram a competição em diferentes anos do Lux Film Prize, que tem como objetivo apresentar, através do cinema, diferentes perspetivas sobre as questões sociais e políticas identitárias da Europa, bem como divulgar e promover a indústria de cinema europeia.

Todas as sessões são antecedidas de um Porto de Honra, às 21h00, e contemplam a apresentação do conceito do Lux Film Prize, e de cada um dos filmes, por parte do Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal e do Cineclube do Porto. O preço do bilhete normal é de 3,50 euros, para estudantes e maiores de 65 anos é de 2,50 euros e para associados do Cineclube do Porto, 0,50 euros.

Io sono li, de Andrea Segre
A mostra arranca dia 24 de abril, às 21h30, com a exibição do filme vencedor da edição de 2012 do Lux Film Prize. Io sono li, de Andrea Segre, coprodução de França e Itália, aborda a história de uma mulher chinesa que trabalha numa fábrica têxtil nos arredores de Roma, de forma a obter os papéis de legalização e trazer o seu filho de oito anos para Itália. Shun Li acaba por ir viver para Chioggia, zona piscatória, localizada na região de Veneto, onde passa a trabalhar num bar e conhece Bepi, um pescador eslavo, apelidado de “Poeta” pelos amigos.

Attenberg, de Athina Rachel Tsangari
No dia 25 de abril, sábado, o destaque recai em Attenberg, de Athina Rachel Tsangari, que integrou a seleção oficial de Lux Prize 2011. O filme grego apresenta-nos Marina, de 23 anos, que vive em quase total reclusão, considerando a espécie humana estranha e repulsiva, tendo apenas como companhia o pai e a melhor amiga. A sua vida muda com o aparecimento de na sua cidade de um desconhecido.

Miele, de Valeria Golino 
O ciclo de cinema Lux Film Prize termina no dia 26, domingo, com Miele, de Valeria Golino, uma coprodução francesa e italiana nomeada para melhor filme em 2013. Irene é uma solitária, cujo trabalho clandestino consiste em ajudar doentes em fase terminal a morrer com dignidade, fornecendo-lhes drogas. Um dia Irene conhece Grimaldi, um homem que não está em fase terminal, mas sim com uma depressão crónica, e começa a colocar em causa os seus valores  morais e a sua ética.